[Resenha] Cinquenta tons de cinza - E L James

02:00

Nome: Cinquenta tons de cinza
Título original: Fifty shades of Grey
Autor (a): E L James
Ano: 2012
Nº de páginas: 455
Avaliação: 
Trilogia: Fifty shades of Grey #1


Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja - mas em seus próprios termos. Chocada e ao mesmo tempo seduzida pelas estranhas preferências de Grey, Ana hesita. Por trás da fachada de sucesso - os negócios multinacionais, a vasta fortuna, a amada família -, Grey é um homem atormentado por demônios do passado e consumido pela necessidade de controle. Quando eles embarcam num apaixonado e sensual caso de amor, Ana não só descobre mais sobre seus próprios desejos, como também sobre os segredos obscuros que Grey tenta manter escondidos...










Era pra ser romance?

       Antes de começar essa resenha gostaria de dizer que rspeito todos que gostaram do livro e que não gostei muito do enrredo e da narrativa, apenas isso. Por quê? Bom, Cinquenta tons de cinza é vendido e divulgado como romance, porém, não vi nada de romance nessa história. A narrativa é  fraca e o enrredo também é. Por ser inspirado em Crepúsculo, o leitor vai encontrar várias situações parecidas, mas não foi isso que deixou o livro meio sentido (até por que eu gosto de Crepúsculo). 50 tons é um tanto contraditório, um exemplo disso é que o Christian diz a Ana que ele não serve para ela e que ela tem que ficar longe dele. Mas depois fica perseguindo-a. (What?!)

         Anastacia tem a personalidade que toda mulher não quer ter. Ela é desastrada, tem uma auto estima baixíssima e não gosta de quase nada em si mesma (Quem é assim?!?!). Então, ela conhece Christian Grey quando vai entrevistá-lo no lugar de sua amiga. A partir daí ela não consegue mais parar de pensar em Grey, e depois de um tempo ele começa a "persegui-la".

         Em quase todos os momentos Anastacia é atormentada por sua diaba "deusa"  interior que (na minha opinião) só a aconselha para o que é ruim.

       Não sei explicar muito depois disso, pois a história começa a ficar meio sentido. Essa é a parte que todo mundo me pergunta: "Mas, Ingrid, o livro é só sexo?" Basicamente sim, Por isso quando se refere a 50 tons como romance eu me pergunto "Era pra ser romance?", digamos que 80% do enrredo é uma narração sobre sexo, e quando digo narração, quero dizer os mínimos detalhes e isso acaba interferindo na parte do "romance". 

         Como o lançamento de 50 tons alavancou o gênero "romantico-erótico", acho que as livrarias deveriam colocá-los em pratileiras separadas de livros como A seleção e Percy Jackson (Sim, eu encontrei um livro adulto na parte infanto-juvenil). Não quero parecer grosseira caso alguém que acompanhe o blog seja fã da trilogia, apenas estou expondo minha opinião, e sinceramente não acho que a trilogia 50 tons seja um romance e fico me perguntando como vai ser a adaptação para o cinema desse livro. Vai ser um filme pornô divulgado como romance?

You Might Also Like

2 comentários

  1. Oi Gyh :)

    Eu também estou querendo saber como vai ser o filme desse livro. Não tenho a mínima vontade de ler ele graças a Deus. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, eu só li pq eu estava lendo muitas resenhas com críticas. Então fui ver se realmente era o que estavam dizendo. (Infelizmente era verdade)

      Excluir

Subscribe