Hora de colocar as cartas na mesa

20:43



Eu ainda gosto de você. Não sei se isso me faz bem ou mal. Um pouco dos dois talvez. Venho me escondendo atrás da minha covardia e engolindo frases que possam me denunciar. Seria mais simples amarrar as pontas soltas de uma vez por todas, mas sempre que paro e penso o medo entra em cena e me faz recuar.

A verdade por trás de todos os meus sorrisos é um pouco triste É fácil para mim escrever sobre o sinto, mas nunca precisei fazer isso verbalmente. Olho no olho. Se é que você me entende.

Os últimos quatro anos foram muito importantes para mim. Minha vida passou por uma montanha russa de emoções e eu queria que você estivesse ao meu lado em todos aqueles momentos. Nos bons e nos ruins. Mas ao mesmo tempo me pergunto se nossa separação precoce foi o ponto chave para todas as mudanças que se seguiram.

É muito difícil escrever sobre você, pois só o seu nome me faz lembrar de tudo que aconteceu e todos os planos que nunca te contei. Ainda dói lembrar. Acho que ainda vai demorar para eu te esquecer. Nem decidi se quero esquecer. Sei que você já superou, deve ter sido mais fácil para você, já que a sua versão é mais simples. Na sua percepção eu terminei e ponto. A minha versão é mais complexa. Digna de um filme, alguns diriam.

Bem lá no fundo, sei que escrever é uma tentativa de te tirar do meu coração aos poucos, de tentar transformar dor em arte, mas no fim é apenas mais um lembrete. Um lembrete de tudo que eu poderia ter vivido. De tudo que perdi.

No fim das contas, te perder fechou uma porta em mim. Depois de tudo que aconteceu construí um muro a minha volta e me escondi do mundo. Bloqueie possíveis sentimentos e de certa forma não me permiti viver.

Mas, sempre que te encontro essa porta abre uma fresta. Esse muro desmorona um pouco. Seu sorriso é a chave do meu coração e ao admitir isso em voz alta tenho consciência que estou assinando minha sentença.

Hora de colocar as cartas na mesa. Você foi o único que derrubou minhas barreiras e me enxergou como realmente sou. O único que me fez perceber como a vida pode ser colorida. Em seus braços eu me sentia segura e ver seu sorriso era minha parte favorita do dia.

Sinto falta das tardes abraçados. Das brincadeiras. Da sua voz. De como você olhava para mim. De você. Ninguém entende o porquê de eu ter me apaixonado. Acho que certas coisas não tem explicação, pois assim a vida fica mais interessante.

Apesar de eu ter certeza que você seguiu em frente e não olhou para trás. Quero deixar registrado que eu desisto. Cansei de me esconder de mim mesma. Cansei de buscar felicidade nos abraços errados. Cansei de não ter você. Então, correndo 100% de risco e me jogando de cabeça. É assim que eu realmente me sinto. Sem exclamações, interrogações ou pontos finais. Apenas um monte de frases e sentimentos empilhados em mais um texto.

You Might Also Like

5 comentários

  1. Tenho que lhe dar os parabéns por expor seus sentimentos dessa forma.
    Um texto muito bonito e direto.

    ResponderExcluir
  2. Que texto lindo, Ingrid.
    Um pouco triste, para quem "lê as entrelinhas", mas você se expressou de uma forma muito bonita.
    Fiquei curiosa para saber quem é ele...
    Espero que vocês se entendam!!

    ResponderExcluir
  3. Amei seu texto *-*
    Como disse o Marco aí em cima, foi muita coragem sua se expor assim. Parabéns pelas lindas palavras e espero que você fique bem!
    Cuida desse coração menina.

    ResponderExcluir
  4. Quem diria que você tem tanta coisa guardada...
    Acho que você não devia guardar o que sente, pode fazer mal :/
    Continua escrevendo textos que seus leitores vão estar sempre aqui!
    A propósito, bonito texto.

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o João, você não devia guardar esse tipo de sentimento. Se você gosta de escrever, e faz isso muito bem pelo que estou vendo, escreve. Postar ou não é escolha sua.
    Mas você tem quase 2.000 leitores para te escutar.

    ResponderExcluir

Subscribe