[Resenha] Romeu Imortal, Stacey Jay

05:12

 Nome: Romeu Imortal
Autor (a): Stacey Jay
Nº de páginas: 320


Amaldiçoado a viver por toda a eternidade em seu espectro, Romeu, conhecido por seus modos rudes e assassinos, recebe uma chance de se redimir viajando de volta no tempo para salvar a vida de Ariel Dragland. Sem saber, Ariel é importante para os dois lados, os Mercenários e os Embaixadores, e tem o destino do mundo nas mãos. Romeu deve ganhar seu coração e fazê-la acreditar no amor, levando-a contra seu potencial obscuro antes de ser descoberto pelos Mercenários. Enquanto sua sedução se inicia como outra mentira, logo ela se torna sua única verdade. Romeu jura proteger Ariel de todo o mal, e fazer qualquer coisa que for preciso para ganhar seu coração e sua alma. Mas quando Ariel se decepciona com ele, ela fica vulnerável à manipulação dos Mercenários, e sua escuridão interna poderá separá-los para sempre.








Uma continuação um pouco melhor que o seu antecessor. Precisa ler Julieta Imortal para ler Romeu? É bom, mas não chega a ser uma obrigação. Você vai entender a história mesmo sem ler o primeiro livro. Romeu Imortal foi uma leitura difícil, assim como Julieta Imortal o livro começou bom, mas logo se perdeu e ficou um tanto repetitivo. A autora não soube explorar a história e mesmo narrando a história pelo ponto de vista de Romeu e Ariel não conseguiu me conquistar.

Romeu aceitou a proposta da Embaixadora e agora está a um passo de se torna um ser da Luz e deixar de vez o lado das Trevas do qual foi prisioneiro por tanto tempo. A primeira missão de Romeu é fazer Ariel Dragland se apaixonar. Ele, egocêntrico como sempre, aceita a missão e diz que vai ser fácil. Para complicar um pouco mais e fazê-lo se esforçar, a Embaixadora dá um prazo de três dias. Romeu terá três dias para fazer com que Ariel se apaixone por ele.

Ariel Dragland, é uma jovem que sofreu, e ainda sofre, muito bullying por causa de algumas cicatrizes que ela possui no rosto. Cicatrizes que foram o resultado de um acidente, sua mãe deixou cair óleo quente nela quando Ariel era criança. As cicatrizes junto com algumas crises que ela tem de vez em quando, a fizeram se tornar a Aberração da cidade. Ariel nunca se apaixonou por que nunca teve a chance, e quando achava que Dylan tinha começado a enxergá-la de outra forma, ela descobre que tudo não passava de uma aposta que ele fez com os amigos.

Romeu deu a sorte de entrar na vida de Ariel por intermédio de Dylan, possuindo o corpo do rapaz, minutos depois de Ariel descobrir sobre a aposta. Romeu enfrenta muitas barreiras para se reaproximar de Ariel, e quando finalmente consegue, nem tudo sai como o planejado. A missão de Romeu é fazer Ariel se apaixonar, mas no meio do caminho ele também desenvolve sentimentos por Ariel, e com o prazo de três dias prestes a acabar, ele tenta encontrar uma solução para continuar com Ariel.

A autora desenvolveu mais esse livro que Julieta Imortal, porém, ainda acho que faltou alguma coisa. O enredo é interessante mas não me conquistou por completo, a narração é dividida entre Romeu e Ariel e facilita a leitura, pois o leitor ficar por dentro do ponto de vista dos dois. Mas o problema está no desenvolvimento da história. A autora promete algo fantástico e trágico na sinopse e no decorrer do livro eu não encontrei isso. Uma pena pois eu tinha criado muitas expectativas em cima dos dois livros e acabei me decepcionando.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Olá, tudo bem?

    Eu já li Julieta Imortal e apesar de ter gostado bastante não me interessei o suficiente nele para buscar a continuação da série. Um dia quem sabe eu leia. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
    é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
    Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Minhas saudações.
    António Batalha.

    ResponderExcluir

Subscribe